Entre os assuntos abordados nas discussões parlamentares na sessão vespertina desta quarta-feira, dia 27, a instalação de uma Comissão Especial para avaliar o projeto de Código Florestal para o Tocantins causou reações adversas. Isso porque o deputado Zé Roberto (PT) criticou a iniciativa e associou sua motivação à destruição do meio ambiente pela “bancada ruralista”.

Parlamentares simpáticos à proposta reagiram de imediato. Para o deputado Olyntho Neto (PSDB), o produtor precisa de regras claras. “Não queremos ficar suscetíveis aos entraves burocráticos, mas vamos preencher as lacunas de uma legislação federal muito rigorosa”, explicou.

O deputado Eli Borges (PROS), por sua vez, criticou a atuação dos órgãos ambientais. De acordo com ele, as instituições agem de forma punitiva, arrecadatória e hostil ao produtor rural. “É muita multa, e multas altas. Mas, se a propriedade do cidadão pegar fogo, nenhum órgão ambiental aparece para ajudar”, disse.

O fato de Zé Roberto ter se antecipado ao início dos trabalhos da comissão foi criticado pelo parlamentar José Augusto (sem partido). Zé Roberto reafirmou não ter feito meras especulações e disse reconhecer as intenções, por ele atribuídas à bancada ruralista, de reduzir áreas de reserva legal e de preservação permanente. (Glauber Barros)