Comemorado no dia 20 de novembro, o Dia da Consciência Negra foi celebrado no hall de entrada da Assembleia Legislativa. Realizado na manhã desta quarta-feira, 28, o evento contou com oficina de turbantes, apresentações artísticas de hip hop e a exibição do filme sobre Dona Romana, líder comunitária e religiosa de Natividade.

“Fizemos uma programação muito valorosa, pois não poderia passar em branco essa data tão significativa para a história brasileira”, disse a presidente da Assembleia, deputada Luana Ribeiro (PSDB). A parlamentar garantiu que o referido momento não foi realizado no dia 20 devido à sessão especial de comemoração dos 30 anos de criação do Tocantins.

Luana destacou ainda a importância da parceria entre Assembleia e a jornalista Maria José Cotrim, coordenadora geral e fundadora do Instituto Crespas, para a realização do evento.

De acordo com a parlamentar, o evento serviu para registrar e recordar as lutas dos negros no Brasil. “É sempre importante relembrar as lutas de quem foi e muitas vezes ainda é discriminado pela sociedade, pois o que muda de um ser humano para outro não é a aparência nem o físico, mas sim a conduta, caráter e o amor ao próximo”, finalizou.

Maria José Cotrim disse que o ato promoveu o envolvimento dos servidores e do público externo com a temática apresentada. Ela destacou que o fato de trabalhar a referida pauta num espaço institucional como a Assembleia é indispensável.

“A Assembleia abriu um espaço multicultural que serviu para quebrar estereótipos e levar conhecimento da luta dos descendentes afros no Brasil, um momento muito legal”. (Elpídio Lopes)