Amélio Cayres recebe ministro corregedor do CNJ

Por Maisa Medeiros
09/02/2024 11h26 - Publicado há 23 dias
Visita faz parte de compromissos dos membros do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) no Tocantins
Visita faz parte de compromissos dos membros do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) no Tocantins
Silvio Santos / HD

O presidente da Assembleia Legislativa do Tocantins (Aleto), deputado Amélio Cayres (Republicanos) recebeu nesta quarta-feira, 7, a visita do corregedor nacional de Justiça, Luis Felipe Salomão, ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ). O encontro no Parlamento é parte da agenda de compromissos dos membros do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) no Tocantins.

Além do corregedor foram recebidos pelos deputados e procuradores da Casa, o desembargador e juiz auxiliar da Corregedoria, Fábio Uchôa Montenegro e a coordenadora de inspeção, Mônica Drumond.

A comitiva da Corregedoria do CNJ está no Tocantins desde segunda-feira, 5, para realizar uma inspeção no Tribunal de Justiça e analisar o funcionamento dos trabalhos judiciários. O objetivo é garantir à população do Estado um serviço jurisdicional adequado nas unidades cartorárias e administrativas e contribuir com a melhoria dos serviços.

“Aproveitamos a vinda ao Tocantins para visitar os poderes e ouvir as sugestões do presidente da Assembleia e os representantes do povo, para ajustar e aprimorar os serviços da Justiça. Nós procuramos dar essa transparência e visibilidade sobre o papel do CNJ e a elaboração de políticas públicas para a melhoria dos serviços. A corregedoria realiza essa inspeção anual para verificar os trabalhos nos estados. Já visitamos vinte e aqui no Tocantins tivemos uma ótima visão do funcionamento do sistema de Justiça”, destacou o ministro.

Os trabalhos de verificação do funcionamento de áreas administrativas e judiciais e dos cartórios extrajudiciais são desenvolvidos por magistrados e servidores de tribunais reunidos pela Corregedoria Nacional, responsável pela orientação, coordenação e execução de políticas públicas voltadas à atividade correcional e ao bom desempenho da atividade judiciária dos tribunais e juízos e dos serviços extrajudiciais do País. 

Também é papel do CNJ planejar e coordenar políticas judiciárias nacionais que visam uniformizar, racionalizar e automatizar procedimentos e processos. Com isso o Conselho Nacional aprimora a prestação jurisdicional e amplia o acesso à Justiça para a efetivação de direitos com vistas a pacificação social e desenvolvimento do país.

As inspeções anuais estão previstas no Regimento Interno do CNJ.  Além do TJTO, no primeiro semestre de 2024 vão passar por inspeção da corregedoria os tribunais de Santa Catarina, do Paraná, do Mato Grosso, da Bahia, do Ceará, da Paraíba e do Espírito Santo.