Projeto de extinção da Redesat tramita na Comissão de Constituição e Justiça

Por Penaforte Diaz
20/02/2019 19h22 - Publicado há 6 meses
Matéria foi encaminhada à CCJ pela Mesa Diretora
Matéria foi encaminhada à CCJ pela Mesa Diretora
Clayton Cristus / HD

O projeto de lei complementar que propõe a extinção da Fundação Radiodifusão Educativa do Estado do Tocantins – Redesat – foi encaminhado na manhã desta quarta-feira, 20, à Comissão de Constituição, Justiça e Redação (CCJ). De acordo com a matéria, os programas, projetos e atividades da emissora serão absorvidos pela Fundação Universidade Estadual do Tocantins – Unitins.

Segundo o governador Mauro Carlesse (PHS), a medida faz parte do conjunto de soluções destinadas a aperfeiçoar a gestão das unidades administrativas que integram o Poder Executivo, com o objetivo de manter o equilíbrio entre receitas e despesas. Ainda segundo o Executivo, em 2018 a emissora gerou despesa da ordem de R$ 8,7 milhões para o Estado, recurso que a partir de sua extinção poderá ser empregado em educação, saúde e segurança pública.

Histórico

A antiga Companhia de Comunicação do Estado do Tocantins – Comunicatins – foi instituída em 1989. A TV Palmas e a Rádio Palmas foram criadas em 2003, quando ocorreu a unificação das marcas que passaram a ser representadas pela Redesat.

Em setembro de 2015, a Assembleia Legislativa aprovou o Projeto de Lei Complementar, de autoria do Poder Executivo, que reestruturou o quadro de cargos de direção e chefia da Redesat.

A emissora está presente em 109 municípios do Estado, com a geradora em Palmas e mais 31 retransmissoras próprias em operação, além de estar disponível para toda a América do Sul, via satélite. A 96 FM gera, a partir de Palmas, sinal que abrange 40 municípios ao redor de sua torre, localizada na Serra do Lajeado, no Distrito de Taquaruçu na Capital. (Penaforte)