Parlamentares cobram revisão de tarifa da balsa na travessia de Porto Nacional

Por Maisa Medeiros
28/02/2019 10h30 - Publicado há 5 meses
Assunto será discutido com o Executivo
Assunto será discutido com o Executivo
Isis Oliveira / HD

A sessão matutina desta quarta-feira, 27, teve como principal assunto a tarifa da balsa na travessia do Rio Tocantins, em Porto Nacional. Os parlamentares cobram a revisão da taxa que tem gerado reclamação e insatisfação da população que precisa fazer a travessia. A empresa prestadora do serviço de travessia da balsa começaria a operar nesta quarta, depois que a ponte foi interditada pelo Governo do Estado devido às condições precárias da estrutura.

Em atendimento a solicitação dos parlamentares o presidente desta Casa de Leis, Antonio Andrade (PHS), anunciou que deve se reunir com o governador Mauro Carlesse (PHS) ainda hoje, e com o secretário de infraestrutura, para discutir a questão. A intenção é que a tarifa seja pelo menos reduzida, já que o Governo conseguiu isenção de pagamento da travessia apenas para veículos oficiais das polícias Civil e Militar, bombeiros e ambulâncias.

O deputado Valdemar Júnior (MDB), por sua vez, defende uma análise do laudo técnico para verificar a possibilidade da travessia de veículos de passeio pela ponte, se não houver risco à segurança. “Se for possível, apenas os veículos pesados fariam a travessia pela balsa, a exemplo de caminhões e ônibus”, defendeu. Ricardo Ayres (PSB) disse concordar com a alternativa apresentada por Valdemar.

Para a líder do Governo na Assembleia, Valderez Castelo Branco (PP), a intenção não é prejudicar nenhum tocantinense, mas garantir a segurança da população. Ela afirmou que assim que o empréstimo junto à Caixa Econômica Federal for liberado, o Governo pretende iniciar as obras de construção da ponte.

Audiência Pública

O deputado Ricardo Ayres apresentou um requerimento em regime de urgência solicitando uma audiência pública para discutir a implantação de cursos na Unitins em Paraíso do Tocantins. Para o parlamentar é preciso avançar no debate de ampliação da Unitins, e garantir que Paraíso também tenha uma universidade pública. (Maisa Medeiros)